A hora certa

Já se passaram 4 meses e estar casada com o homem dos meus sonhos ainda parece mentira! Às vezes acordo e fico olhando pra ele ao meu lado e tentando acreditar que é real. Tem sido tudo maravilhoso e estou muito feliz, ele, eu e Fred, o nosso cachorrinho sapeca!

O casamento caiu em descrédito hoje em dia, mas tenho que testemunhar que é muito bom sim quando você faz a escolha certa e não segue as pressões sociais. Quero dizer, casar na hora certa, sem pressão e sem dúvidas entende? Casar pelos motivos certos.

Talvez você esteja pensando: “quem é ela para falar deste assunto com apenas 4 meses de casamento?” Bom, sei que ainda não sou muito experiente e, por isso, não venho falar sobre o casamento em si, mas sim do caminho que percorremos até ele. Meu marido e eu estamos juntos há 8 anos apesar de só agora termos nos casado. Apesar da vontade, das torcidas e do tempo, escolhemos o momento certo. Nos sentimos tão seguros da nossa escolha que a vida tem sido doce e serena a cada dia. Sinto em mim a paz de estar exatamente onde sempre quis estar.

Decidi falar sobre isso porque sei que são muitas as pressões sociais em torno do casamento. Seja pela hora certa, pelo cara certo ou pela forma do casamento, sempre tem alguma tia, um pai ou amiga da mãe esbanjando opinião sobre sua vida amorosa. Talvez, por isso, tantas mulheres entrem despreparadas em seus casamentos e se arrependem pouco tempo depois. São mulheres que se sentem roubadas de sua própria vida, que renunciaram a própria identidade para satisfazer as vontades alheias e agora se sentem perdidas sem saber como sair daquilo que é o “sonho de toda mulher”. Mas será que é mesmo?

Às vezes, a insatisfação nem é culpa do marido, às vezes, é apenas uma questão de não ser o momento certo, de não ter se descoberto ainda ou não ter aprendido que é preciso amar a si mesmo para depois amar o outro. De todos os parâmetros, talvez seja este o mais importante para descobrir o seu momento.

O meu momento15 de dezembro de 2013  – Este foi o meu momento.


Filosofando…

mensagem-sentido-da-vida_thumb
Quando ainda somos crianças e principalmente adolescentes, os nossos dias são permeados de sonhos e o nosso tempo é ocupado pela busca incessante dos nossos desejos. Em meio a tanta correria e ansiedade, nem percebemos o tempo passar e, de repente, acordamos à beira dos “30”, olhando para alguns sonhos que ainda restam nas mãos. “Será que vai dar tempo?” A pergunta soa como um grande enigma em nossa mente.

Eu nunca sonhei muito alto no que se refere a conquistas materiais, mas sempre quis uma família, um lar e alguém pra amar. Já tenho tudo isso e me sinto tão feliz que me peguei perguntando o que fazer da vida agora. É isso? E agora, o que faço? Ao dividir o meu dilema com o meu marido ele me deu a solução que pra ele é tão simples como acordar todos os dias: agora você usufrui do que conseguiu.

Apesar de parecer lógico e o mais certo a fazer, ainda me pareceu pouco. Então a vida é só isso? Você constrói e depois se deleita no que construiu até o fim? Isso me pareceu pouco porque estava acostumada a correr a vida inteira pelo que eu queria, acostumada a lutar e perder várias vezes antes de conseguir. E por mais que isto tivesse me ocasionado várias lágrimas, hoje vejo o quão emocionante era a busca constante por ser feliz.

Me dei conta de que a felicidade não é o DESTINO, mas o CAMINHO e que se não sonhamos, morremos. A vida não acaba ao escurecer, a vida acaba quando deixamos de sonhar. Então eu percebi que o que devia fazer agora, era não apenas me deleitar em meus sucessos, mas construir novos projetos e amar cada vez mais. Bem, são só umas coisas que tenho pensado…


Casei!

vida-a-dois
Tentei começar esse post de várias maneiras porque é tanta novidade na minha vida que nem sei por onde começar!
Acho que só pelo título já dá pra imaginar o tanto de coisas que tenho pra contar, não?
Pra começar eu mudei de casa, sou “esposa” e “dona de casa” além de professora de enfermagem.
Descobri que casar é muito bom quando se tem certeza de que fez a escolha certa. É assim que me sinto a cada dia que passa, mas também é bem difícil às vezes… Eu poderia escrever aqui inúmeras linhas dizendo como tem sido a minha nova vida, mas é tanta novidade que eu acho melhor ir devagar! Risos… Tive uma ideia de como resumir um pouquinho, que tal falar sobre algumas doçuras e desafios da vida a dois? Gostou?! Vamos lá:

Doçuras…

1. Dormir juntinho toda noite (não tem preço).
2. Dividir as tarefas de casa.
3. Cozinhar pra alguém em especial além de mim.
4. Não sentir mais a dor da despedida.
5. A sensação de ter alguém por você de uma forma única (Não sentimos isso em casa quando temos mais 3 irmãos)
6. Descobrir novos hábitos um do outro (é engraçado!).
8. Descobrir com a intimidade o quanto é sólido o que temos.
9. Ser apresentada como ESPOSA (ele não tem ideia do que sinto a cada vez que ele faz isso).
10) Receber beijinhos e abraços quando não estou esperando a qualquer momento do dia.

Desafios… (Pra quem acha que é fácil!! Risos…)

1. Dividir as tarefas de casa (nem sempre é tão fácil por mais parceiro que seja o seu namorado, pois é uma coisa cultural)
2. Ajustar o tempero da comida! (Parece simples, mas é difícil)
3. Entender novos hábitos um do outro (às vezes é estranho).
4. Não deixar que a intimidade ofusque a busca pelo novo e os torne acomodados.
5. Não ter mais um quarto só seu… (sinto muita falta disso)
6. Equilibrar o gosto feminino por decoração com o gosto masculino (nossaa… chato).
7. Entender com paciência um novo personagem: a sogra (Acredite, a mãe dele só é sua sogra depois que você casa. É incrível como ela muda com você, não falo de um jeito ruim mas, parece que as expectativas dela sobre você se multiplicam assustadoramente)
8) Continuar sexy e bela mesmo dando faxina na casa! Rá!!  (Esse é difícil, mas às vezes dá certo) 😉
9) Fazer sessões de beleza sem que ele perceba que você está parecendo uma bruxa com touca no cabelo e creme na cara.
10) Enfim, acho que dá pra resumir tudo no último desafio:

Conseguir ser bem e ao mesmo tempo esposa, namorada, amante, amiga, filha, nora, irmã e você mesma de vez em quando.
😉

Ser mulher é difícil não?! Casada então!!! Mas é maravilhoso gente e pra mostrar só um pouquinho de como é, vou deixar esse vídeo mais lindo do mundo que eu adoro:


Voltando…

Não é raro encontrar  um blog cujo dono o abandonou por um tempo. Por isso mesmo, meu sentimento de culpa vem diminuindo aos poucos sempre que percebo o abandono do meu. Ao menos comigo e, com algumas blogueiras que conheço, percebo que a irregularidade nos posts ocorrem porque nos importamos demais com o blog. Eu me recuso a escrever só por escrever, pra marcar ponto e manter uma rotina. Postar aqui é algo que amo demais pra fazer de qualquer jeito. Se todo o resto do mundo muda o tempo todo e todas as pessoas têm os seus momentos de reclusão, porque seria diferente com os blogs?!!

Portanto, decidi que não vou mais me desculpar por minhas sumidas, afinal, quero que o blog seja pra mim um espaço de prazer e descontração, onde eu me sinta livre para mostrar o que realmente sou: as minhas sumidas fazem parte de mim.

Bom, não sei direito o que me trouxe de novo a escrever dessa vez, talvez por visitar um dos blogs que mais amo e refletir sobre o quanto algumas pessoas se esforçam por serem felizes em seu dia – a – dia. Isso me contagiou porque tenho a horrível mania de ficar ansiosa por determinadas coisas e condicionar a minha felicidade a realização delas.

A cada dia que passa, percebo que isto é um erro terrível! Vivo agora me policiando para desfrutar dos pequenos prazeres e viver um dia de cada vez. Acho que o blog me ajuda nisso, porque me faz pensar nas pequenas coisas legais do meu dia – a – dia que tenho pra contar. Então, eu estou aqui novamente, sem nenhuma novidade espetacular, mas muito feliz por estar aqui, compartilhando, simplesmente, as coisas que tenho pensado, acreditando que, em algum lugar, alguém que tenha algo em comum comigo venha me visitar pela net, ainda que seja atraída apenas pela combinação certa de palavras-chaves.

Talvez a minha disposição tenha a ver com a primavera também… Como não ficar feliz com uma imagem dessas no meu jardim?

100_4490

😉


Sem poder sair de casa…

Não sei qual é o problema do meu joelho… Ele reclama, eu levo ao médico, faço mil exames e o problema não aparece. Quando eu tô toda feliz, cheia de vontade de viver, ele volta a reclamar de novo e me deixa isolada em casa! Pode isso?! Em momentos assim, o que me salva é a internet e os meus alicates!  E como resultado desse drama todo, mais um colarzinho:

colar com madeira e cristais


Desejo de comer Donuts

Estou na terceira temporada de Dexter, um dos meus mais prazerosos passatempos ultimamente.O seriado é muito bom, vale a pena cada segundo e recomendo sem vacilar! Cada temporada tem 12 episódios e, estando eu no 4º episódio da terceira temporada, já não podia resistir aos deliciosos Donuts que o protagonista distribui todos os dias no seriado. Há 28 episódios eu vinha saboreando em minha mente a delícia americana ao passo que meu desejo só aumentava. Ontem não resisiti! Encontrei um cúmplice (o noivo), ao compartilhar o meu desejo, que “despretensiosamente” me enviou um vídeo de como fazer as deliciosas rosquinhas! E lá estava eu, que raramente vou pra cozinha, à procura de diferentes coberturas coloridas para saciar minha vontade televisiva, tão empolgada quanto uma criança em meio aos granulados de todas as cores.

Eles são realmente deliciosos, apesar de serem fritos, a massa não encharca de óleo, além de ser super divertido escolher as coberturas! Pode ser uma ótima brincadeira para crianças pequenas ou não tão pequenas como eu! 😉

Estão aí as fotos da minha travessura e o vídeo para quem mais quiser se aventurar:


Dias nublados

Moro em um país tropical. Moro numa cidade fumegante: Jequié! Não sei viver no frio ou em dias escuros, o meu negócio é cor e luz, sempre! E quando falo que não sei, quero dizer que não consigo, que não me sinto tão feliz como nos dias coloridos e que simplesmente morreria de tédio se morasse em lugares frios e sombrios como vejo em alguns filmes. Eu fico diante da TV me perguntando como aquelas pessoas sobrevivem em lugares tão cinzentos.

Sou feliz porque o inverno aqui é bem rápido, quase inexistente e os dias bem coloridos. Há quem tome antipatia de mim depois de ler esse texto, simplesmente por viverem reclamando do calor daqui. Mas o que me atrai, não é o calor que, algumas vezes, chega a ser insuportável, eu admito, mas sim as cores e a luz. Adoro quando o sol me acorda pela manhã! Adoro o ar livre e por isso, a preguiça de sair nos dias frios e nublados me faz sentir como se perdesse o melhor da vida.

Tá, é certo que os dias frios também têm suas vantagens: é bom pra ler, assistir TV e namorar. Mas esses momentos são mais preciosos pra quem está sem tempo, vive sonhando em chegar em casa pra se jogar em meio às cobertas enquanto assiste um bom filme. Não é o meu caso. Ultimamente, meu tempo tem sobrado bastante e só o que desejo é sair de casa. Portanto, dias frios não são os meus preferidos… ao menos por enquanto.

Bom, tá feito o protesto! E Primavera, vê se não demora tá? Eu tô mooorrendo de saudade!

😉