Amor ou amizade?


Tenho refletido sobre algo nos últimos dias: qual a importância do amor e da amizade em nossas vidas?
Até pouco tempo eu acreditava que o amor, os relacionamentos amorosos eram mais importantes que tudo, até eu descobrir que nem todos os romances tem amor, mas que todos os amigos amam.
Nós confundimos o tempo inteiro a paixão com o amor e por isso justificamos muitas loucuras e injustiças que cometemos. O ciúme, por exemplo, é uma das grandes loucuras que sofremos quando estamos apaixonados e por causa dele somos injustos com muita gente. Apesar de sentirmos ciúme de amigos, familiares e colegas de trabalho, é por causa de nossos amores que cometemos as maiores besteiras. Talvez, porque são eles que nos prometem exclusividade  em uma cultura monogâmica como a nossa. E é por causa dele, do ciúme, da necessidade de posse justificada pelo fato de estar apaixonado é que colocamos as amizades em segundo plano.
Mas seria mesmo o segundo plano o lugar ideal para os nossos amigos?
Meu irmão me disse que o amor deve sempre predominar nos relacionamentos ao invés da paixão e que isso deve ser exercitado desde o início de tudo. Quando a gente ama deseja sempre o bem do outro e isso nos torna capaz de fazer renúncias, já a paixão é egoísta, nos faz pensar em nós mesmos o tempo todo e exigir do outro, até mesmo, o que deveríamos esperar de nós. É bem aqui que as amizades sobram, coitadas! Buscamos exclusividade no outro e nos tornamos exclusivos pra ele também, conscientes ou não, vamos perdendo contato pouco a pouco com os amigos e exigindo o mesmo.
Acontece que um dia a gente acorda (e esse dia sempre chega), e percebe que o que beija o corpo nem sempre é o que “abraça” a alma, contudo, às vezes, um abraço é tudo de que precisamos.
Amigo que é amigo ama: abraça… deseja o melhor pra o outro e não o prende pra si, dá liberdade pra que o outro seja feliz. Então, é uma pena que não haja amor em todos os romances, é uma pena que nem todos os amores sejam amigos, mas ainda bem que todos os amigos são amores. Por isso, o lugar dos amigos não é o segundo plano, é o primeiro, e o amor que queira ser o meu primeiro, que seja meu amigo.

Anúncios

Sair sozinha…


Ontem sai sozinha. Sem namorado, sem família, sem amigos, sem cachorro. Foi uma daquelas noites em que definitivamente eu não queria ficar em casa mas que também não havia ninguém que pudesse me fazer companhia. Geralmente, quando isso acontece eu me rendo à internet, à televisão e me conformo em ficar em casa. Ontem foi diferente, eu não me conformei. Um dia a gente cansa de engolir o que temos pensando no que queríamos ter. Eu cansei. E pensei: Eu quero sair, tenho como sair e vou ficar em casa porque não tenho companhia?! Não me parece justo! Saí! Não fiz nada demais, eu apenas caminhei, pensei na vida (eis uma coisa que adoro fazer: pensar na minha vida enquanto caminho!), sentei numa mesa sozinha, jantei sozinha e voltei pra casa sozinha.
Tive a impressão de atrair muitos olhares enquanto jantava. Alguns me olhavam como se pensassem: “Ela está sozinha?!” Eu me sentei e quase ouvi um pensamento dos casais das mesas a minha frente: “E ela vai comer sozinha?!” Ao mesmo tempo em que me constrangeram, os olhares me divertiram. Tentei não rir, afinal, eu estava sozinha e pessoas que riem sozinhas são entendidas como “malucas”. Mas pensei comigo mesma: Se sentasse ali um homem sozinho as pessoas olhariam da mesma forma? Acredito que não. Acho que a sociedade ainda tem a idéia de que mulher precisa sempre de uma companhia. Mas então, uma mulher sozinha não tem fome? Não tem vontade de sair de casa? De repente pensei em tantas coisas, lembrei de Flávia Mariano e de suas viagens pelo mundo, de quando eu não namorava e saía mais do que saio hoje, tendo companhia ou não.
Me lembrei que sair sozinha faz bem, a gente se conhece mais, descobre que pode mais do que acreditava que podia e volta pra casa na certeza de que fez o melhor da vida, “eu fiz o que queria, fui sozinha mas eu fui e ninguém pode tirar isso de mim!”

Namorado vai estar ocupado hoje, acho que vou dar uma volta comigo essa noite…
😉